quinta-feira, 31 de março de 2011

Por que eu danço

"Eu não danço para conquistar;
Não danço para impressionar;
Não danço para a vaidade aumentar;
Não danço simplesmente por dançar...

Eu danço para meu bem estar;
Danço para a tristeza espantar;
Danço para me vivenciar;
Danço porque simplesmente amo dançar...
Eu não danço pela plateia;
Não danço pelos aplausos;
Não danço apenas por um palco;
Não danço porque me colocam lá no alto...

Eu danço porque assim me sinto completo;
Danço porque meu corpo está vivo e inquieto;
Danço porque assim é que me expresso;
Danço porque é exatamente dançar o que mais quero...

Eu danço por mim e por minha alma;
Danço por meu corpo e por minha calma;
Danço por minha felicidade e por minha integridade;
Eu danço, danço e danço... porque é isso que verdadeiramente me traz a paz."
"A ARTE É A CONFIRMAÇÃO DE QUE SÓ A VIDA, NÃO BASTA"

De domínio público


segunda-feira, 28 de março de 2011

Ariche, aí vamos nós!!!

Conforme combinamos no último domingo, na reunião do grupo de estudo, as alunas e familiares interessados em passar uma noite com muita dança do ventre e comida árabe, música ao vivo, boa companhia e um banho de cultura numa ocasião agradável, basta garantir sua reserva!


O Studio Lisa Lima vai fazer reservas para alunas e familiares para o dia 8 de abril, sexta-feira, com início às 10 horas da noite.


Os interessados devem confirmar a reserva com a professora Lisa até o dia 3 de abril, domingo, último prazo para entrega do valor da entrada: R$ 45,00


As reservas são para o espaço logo na entrada da Casa de Chá Ariche, local onde há um grupo de músicos percussionistas para tocar ao vivo para a apresentação das bailarinas. Será servido um jantar típico árabe já incluído no valor da entrada.


Vamos participar dessa atmosfera cultural e nos divertir, meninas!


Tratar com Lisa Lima: 9244-8307

quarta-feira, 23 de março de 2011

Grupo de Estudo

PESSOAL! A PRÓXIMA REUNIÃO DO GRUPO DE ESTUDOS SERÁ NESTE DOMINGO, DIA 27, ÀS 15 HORAS.
OS TEMAS SERÃO: OS CHAKRAS E A BAILARINA LULU SABONGI.
ESPERO TODAS VOCÊS!!!

Fotos do 4º Encontro do Studio Lisa Lima


















segunda-feira, 21 de março de 2011

terça-feira, 15 de março de 2011

Descontração e amizade marcaram o quarto encontro de dança do 

Studio Lisa Lima

Num clima intimista e alegre, amigos, familiares e amantes da cultura árabe se reuniram neste domingo, às 16 horas, na Academia Nativa, para prestigiar a dança do ventre e apresentações de artistas locais. Alunas do Studio Lisa Lima apresentaram suas coreografias, celebrando os recentes progressos no aprendizado da dança, e a própria professora, bailarina e coreógrafa do grupo brindou os presentes com sua técnica, expressividade e domínio dessa arte.
Deste quarto encontro participaram os derbakistas Georges Obeid Ghosn, de 9 anos, Jonas Feliz e Karlen. Georges iniciou sua apresentação com duas músicas solo, dançadas pela bailarina Lisa Lima. Ao final das apresentações de dança, os três improvisaram juntos ao derbak, mostrando a precisão e energia dos ritmos árabes.
Todos os presentes participaram de sorteio de diversos brindes, oferecidos pelos patrocinadores: Motos Bueno, Luciano Luminárias, Paula sapatilhas, bijuterias Karina Lima, Cantinho do Ganeshe (incensos e enfeites) e fotógrafo Aurélio Vinícius. Foram distribuídos gratuitamente os já apreciados picolés da Dale sorvetes, pela bailarina e empresária Mariaisha. Amigos e parceiros, como Cristina vestidos e Borboletta bijus, expuseram seus produtos.
A artista plástica e também bailarina do grupo, Alessandra Vargas, expôs seus quadros com motivos orientais e o fotógrafo Aurélio Vinícius realizou uma exposição, no corredor de entrada do espaço, com suas fotografias de espetáculos de dança realizados em Campo Grande.
Este quarto encontro foi abrilhantado pela presença da bailarina Isa Yasmin, uma das primeiras professoras da coreógrafa Lisa Lima e grande incentivadora de sua carreira. As duas dançaram juntas no extinto Grupo Natraj, fundado e dirigido por Isa. Ana Graziela, também ex-professora de Lisa, esteve presente, com a bailarina Méri, que se apresenta no Ariche.
O encontro teve apresentação do músico Cleber Aguero, que trouxe um repertório variado de Música Popular Brasileira, e da tecladista Isabel Guimarães. Quem participou teve a oportunidade de animar o domingo com muita energia positiva, dança, arte e cultura. Quem perdeu, o jeito é esperar o próximo!!!

Karina Lima

Bazar


BAZAR DE ROUPAS DE DANÇA DO VENTRE E ACESSÓRIOS
SÁBADO, DIA 19 DE MARÇO.
STUDIO LISA LIMA – 9244-8307
RUA: HIBISCOS, 93 BAIRRO: CIDADE JARDIM.
ESPERO VCS E VENHAM CONFERIR !!!

domingo, 13 de março de 2011

A energia e alegria da dança do ventre no seu evento!

A dança do ventre é sagrada, porque é um ritual em que as bailarinas dançavam para as sacerdotisas, no antigo Egito. Com o tempo, foi incorporada ao folclore árabe durante a invasão moura no país, na Idade Média.
A dança começou a adquirir o formato atual, a partir de 1798, com a invasão de Napoleão Bonaparte ao Egito, quando recebeu o nome atual de dança do ventre pelos orientalistas que acompanhavam Napoleão.
Os movimentos são marcados pelas ondulações abdominais, de quadril e tronco isoladas ou combinadas, ondulações de braços e mãos, tremidos e batidas de quadril. Ela trabalha com os quatro elementos - água, terra, fogo e ar – e suas características.
Os figurinos são relacionados a cada tipo de dança, as folclóricas, as clássicas, coreografias e solos. Cada dança tem seu significado e cada coreografia é desenvolvida de acordo com o objetivo da apresentação, do evento.
A Companhia de Dança Lisa Lima apresenta a dança do ventre de forma diferenciada, enfatizando as características de cada bailarina e valorizando a interação com o público. Todos os aspectos são valorizados: corpo e alma, aspetos físicos e emocionais, feminilidade e a mística da dança, com toda a sua magia.

Modalidades da Dança

Espada: Simboliza o elemento terra e enfatiza a mulher guerreira. A bailarina demonstra calma e confiança ao equilibrá-la em diversas partes do corpo. Combina os movimentos da dança com o manuseio desse instrumento. Dança apropriada para apresentações que objetivam enfatizar a técnica e a força da bailarina. Figurino tradicional (top e saia).

Punhal: Simboliza o elemento terra e é uma variação da dança com a espada. O desafio para a bailarina não é a demonstração de técnica, mas sim a de sentimentos. Dança interpretativa com movimentos lentos. Figurino tradicional (top e saia), admitindo uma variação tribal (top e calça). 

Véu: Simboliza o elemento ar e é de origem ocidental norte-americana. É extremamente popular, e mesmo os leigos na Dança do Ventre costumam entendê-la e apreciá-la. Enfatiza a feminilidade e mistério, evoca imagens do deserto, como a areia movimentada pelo vento. Dança versátil, apropriada para vários tipos de evento. Figurino tradicional (top e saia). 

Candelabro: Elemento original egípcio utilizado no cortejo de casamento, para iluminar a passagem dos noivos e dos convidados. Dança-se, atualmente, como uma representação deste rito social, utilizando o ritmo zaffa. Simboliza o elemento fogo e deve ser apresentada com iluminação especial (penumbra). Vestido ou figurino tradicional com ventre coberto. 

Taça e vela: Variação ocidental da dança com candelabro, a bailarina realiza os movimentos segurando uma taça de vidro em cada mão, com vela acesa em seu interior. Dança em ritmo lento, com movimentos que enfatizam a luz proporcionada pela vela. Para isso, necessita-se de iluminação especial (penumbra). Simboliza o elemento fogo. Figurino tradicional.

Jarro: Simboliza o trajeto das mulheres em busca da água, o elemento representado. Dança marcada pela alegria e inocência da criança, apropriada para batizados e festas infantis. As danças folclóridas normalmente retratam os costumes ou rituais de certa região e por isso são utilizadas roupas diferentes das da dança do ventre clássica. O figurino adequado para esta dança são as túnicas.

Bastão ou bengala: Dança folclórica do sul do Egito, podendo ser dançada com bastão simples ou duplo. Simboliza o elemento terra e representa a atividade rural do pastoreio ou a força das lutas. Os movimentos possuem muitos pulos e exigem habilidade da bailarina. O figurino para esta dança é o vestido (moderno) ou as túnicas (folclórico). 

Pandeiro: Dança dos ciganos do Antigo Egito. O pandeiro é um acessório cênico utilizado pela bailarina enquanto dança e é tocado apenas em alguns momentos para fazer as marcações da música. As músicas alegres, animadas, ritmadas e bem marcadas. O figurino é o vestido ou o tradicional (top e saia). 

Snujs: São címbalos de metal, usados um par em cada mão. Um deles se prende ao dedo médio e o outro ao dedão por meio de um elástico. Representam o elemento ar e eram utilizados nos Festivais dos Deuses pelas sacerdotisas nos antigos templos, no Egito. Este instrumento de percussão, quando tocado, traz vibrações positivas e retira maus fluidos do ambiente (miasmas). Figurino tradicional (top e saia). 

Khalige: Dança dos países do golfo pérsico. É caracterizada pelo uso de uma bata longa e fluida e por intenso uso dos cabelos. Caracteriza-se por uma atmosfera de união familiar ou fraterna entre as mulheres presentes. Dança-se com ritmos do golfo, principalmente o soudi.